Povos Antigos

Wednesday, January 04, 2006

O Egito Antigo

Comecemos pela geografia do Egito, fica localizado na África, então, podemos inferir que os egípcios[1] não tinham traços europeus, eram africanos. O principal rio, o Rio Nilo[2], nasce na África Central e vai atravessando o deserto até desembocar no mar Mediterrâneo. Todos os anos, na mesma época, ele enche e transborda[3] e a margem do rio crescia o papiro[4]. Tal fato se contrapunha ao deserto, que em épocas passadas foi fonte de ouro, chumbo, cobre, prata e topázio e servia para “afastar” os povos estrangeiros que poderiam ser uma ameaça aos egípcios.

Acrescentando a história temos que cerca de cinco mil anos as aldeias[5] egípcias se uniram e passaram a ser governadas por um único rei, o faraó[6] - política e religião[7] juntas. O Estado controlava a Economia e a maioria da população – maioria camponeses[8] - se concentrava mais no campo ou em pequenas aldeias. A sociedade era hierarquizada[9] e os impostos eram pagos com as coisas que eles produziam: trigo, cevada[10], legumes, linho e carne.

O comércio externo, de importação de mercadorias, como o cedro, a púrpura e o estanho, era realizado especialmente por pessoas enviadas pelo faraó. Depois do faraó as pessoas mais importantes e ricas eram os nobres[11] seguindo temos os funcionários de menor categoria, como os escribas[12]. Os artesãos muito habilidosos, que trabalhavam nas oficinas do rei fazendo roupas de luxo, jóias, vasos, entre outras confecções, recebiam alguma consideração[13].

Os historiadores dividem a história do Egito em três períodos: o Antigo Império[14], o Médio Império[15] e o Novo Império[16]. Também fazem referências a vários deuses que os egípcios adoravam, conforme segue alguns descritos:

1. Amon (em egípcio: “oculto”), antiga deidade egípcia, originariamente um deus tebano local das forças reprodutoras, representado na forma de um carneiro. Amon, sua mulher Mut (em egípcio: a mãe) e seu filho, o deus da lua, Khonsu (em egípcio: atravessar o céu), formavam a trilogia divina de Tebas. Posteriormente foi identificado com o deus sol Rá de Heliópolis e foi chamado Amon-Rá (pai dos deuses, criador do gênero humano, o senhor de tudo o que existe);
2. Anúbis: deus do embalsamento e da morte. Tinha corpo de homem com cabeça de chacal;
3. Bastet: deusa da fertilidade. Considerada uma deusa gentil e protetora. Aparecia com corpo de mulher e cabeça de gata;
4. Hator: deusa do amor e da beleza, deusa do céu e rainha do firmamento. Filha de Rá e mulher de Horus, também era deusa da fertilidade e protetora das mulheres e do matrimônio;
5. Hórus: deus-céu. Podia aparecer como um homem com cabeça de falcão, ou como um falcão. Os egípcios acreditavam que ele entrava no corpo do faraó para governar;
6. Ísis: era a esposa de Osíris e mãe de Hórus. Ela protegia as pessoas;
7. Osíris: deus dos mortos e do outro mundo. Aparecia como um homem mumificado;
8. Ptah, na mitologia egípcia, um dos deuses mais importantes. Inscrições antigas o descrevem como "criador da terra, pai dos deuses e de todos os seres desta terra e pai dos princípios". Era considerado protetor dos que trabalhavam com metal e dos artesãos, assim como um poderoso curador. Freqüentemente era representado como uma múmia segurando os símbolos da vida, do poder e da estabilidade. O principal centro do seu culto ficava em Mênfis;
9. Rá: o deus-Sol. Aparecia como um homem com um Sol sobre a cabeça de falcão;
10. Set: o irmão malvado de Osíris, tinha uma cabeça de animal, era filho de Geb e Nut e também irmão de Ísis e Neftis e tinha muita inveja do irmão e o matou;
11. Thoth: deus do conhecimento. Podia ter varias formas: a de um babuíno, a de um íbis ou de um homem com cabeça de íbis.

O faraó Amenófis IV proclamou que o deus Aton, simbolizado pelo disco solar, era o único deus que existia. Mas a reforma religiosa não deu certo, porque a população preferiu continuar com a religião que já tinha há mais de mil anos de idade. Depois da morte do faraó, a religião oficial voltou a ser politeísta. Os egípcios acreditavam em vida após a morte e para evitar que a alma não encontrasse o corpo era preciso conserva-lo
[17]. As pirâmides[18] eram os túmulos e os sacerdotes eram nobres.

Depois da morte de Ramsés II, os egípcios foram dominados pelos assírios, depois pelos persas, logo depois pelos gregos
[19] e por último pelos romanos[20].

[1]Esse povo é lembrado pelos faraós, pirâmides, múmias e pelo Rio Nilo.
[2] O antigo historiador grego Heródoto disse uma vez: “O Egito é uma dádiva do Nilo” - ou seja, a existência da civilização egípcia é um presente do Nilo.
[3] Nas partes inundadas fica depositada uma espessa camada de húmus, formado por folhas e plantas que caem naturalmente no rio, durante as centenas de quilômetros percorridas por suas águas. Por isso o vale do Nilo tornou-se uma das regiões mais férteis do mundo. Nessa época nos camponeses eram obrigados a trabalhar de graça para o Estado. Havia muitas tarefas para cumprir. Os escravos não eram tão numerosos como os camponeses. Se não houvesse enchente os camponeses passariam fome e muitos morreriam desnutridos – infelizmente já aconteceu. Houve casos de canibalismo.
[4] Essa planta maravilhosa servia para fazer uma espécie de papel para escrever, além de cordas, pequenos barcos e redes.
[5] Por volta de 3100 a.C. o faraó Menés usou a força militar para unificá-las.
[6] Eram considerados verdadeiros deuses na Terra. O faraó era o rei incontestável. Muito rico e servido por milhares de pessoas, ninguém podia contrariá-lo. O faraó podia se divertir sem se preocupar muito em governar. Havia uma espécie de primeiro-ministro, o tjadi, que administrava o reino e comandava os exércitos.
[7] A religião egípcia era politeísta, ou seja, acreditava em mais de um deus.
[8] Cuidavam dos animais e cultivavam a terra.
[9] Apresentava grupos sociais que iam dos mais pobres e submissos até os mais ricos e poderosos.
[10] A cevada era misturada com água e fermentada para fazer uma bebida alcoólica: a cerveja.
[11] A nobreza era hereditária. Os nobres viviam no descanso, no luxo e nos prazeres, sustentado pelo trabalho do povo mais humilde.
[12] Os escribas eram umas das poucas pessoas que sabiam fazer contas, ler e escrever.
[13] O Estado lhes pagava bons salários.
[14] Os faraós que sucederam Menés reforçaram o poder real. Cada faraó se tornava mais poderoso que o anterior. Foi nessa época que se construíram as grandes pirâmides no deserto de Gizé.
[15] Começou com a restauração do poder do faraó sobre todo o Egito. Nesse período, o povo hebreu ficou subordinado aos egípcios. Os hicsos, que possuíam cavalos, conquistam parte do Egito.
[16] Teve início com a expulsão dos hicsos. Os egípcios haviam aprendido bastante com eles, e agora utilizavam cavalos e armas de ferro para a guerra. Com isso puderam avançar e atacar a Síria e a Palestina. Declínio após a morte de Ramsés II.
[17] O cadáver era embalsamado. Limpo era banhado em um caldo especial e depois enfaixado com gaze, tornando-se munia. Direito adquirido pelos nobres depois de algum tempo.
[18] Construções gigantescas de tijolo e pedra. A mais famosa é Queóps. Levava mais ou menos trinta anos para serem construídas
[19] Alexandre da Macedônia.
[20] Júlio César.

4 Comments:

At 9:14 AM, Blogger Beatriz said...

Oh!...
Site orrìvelllll!
Odiei ele!

 
At 12:40 PM, Blogger Pedro said...

mass, q site "cu d frango"

 
At 11:55 AM, Blogger veve ♥♥♥ said...

ñ acredite isso ñ tem nada a ver
coisa horrivel este site rsrsrs """"

 
At 11:58 AM, Blogger veve ♥♥♥ said...

This comment has been removed by the author.

 

Post a Comment

<< Home